Uma taioba de domingo

Com a chegada do verão, meu pé de taioba ocupa o jardim.   Chuva e calor é tudo que ele gosta, e as folhas enormes começam a sombrear as plantas em torno. É hora de ir pra panela!

Taioba 1

Neste domingo passei a faca em cinco folhas, o que rendeu para quatro pessoas e sobrou. Principalmente, clareou aquele cantinho do muro. Quem não conhece taioba confunde com couve, pois é refogada do mesmo jeito.  Mais macia, vai bem com farofa, com cebola, com alho frito, com bacon (pra quem gosta), tudo aquilo que acompanha uma couve refogada. Combina também com omeletes, tortas, etc. A textura fica entre couve e espinafre, é só não cozinhar demais.

Taioba é da família das aráceas, e tem algumas primas meio venenosas. Não tem como confundir, é bem comum e difundida em todo o Brasil, e sua raiz parece um inhame (que é outro da família, com folhas muito semelhantes). Muita gente tem no jardim como planta decorativa, e nem sabe que ela é comestível…

Repare bem na folha em forma de coração. O talo fica bem no V, e há uma pequena bainha desenhada que circunda toda a folha. Se o talo estiver no meio do coração, ou se tiver cor roxa, não é taioba. Fuja! O talo da taioba é verde-claro, e até pode ser refogado como chuchu, como já ensinou a Neide Rigo. Já fiz com camarão, é uma delícia!

Taioba 2

O preparo é simples. Depois de lavar bem, retire a nervura central da folha. Enrole e corte fininho, como se fosse couve.

Taioba 3

Refogue do jeito que preferir. Se demorar pra ir para panela ela pode oxidar, escurecendo as nervuras, como uma alface. Se vai demorar, é melhor deixá-la dentro de uma bacia com água. Há quem coloque um pouco de bicarbonato de sódio, pra ficar clarinha (em couve de restaurante também, sacou?). Prefiro natural, escura e gostosa.

Taioba 4

É só um acompanhamento, claro. O almoço foi um fantástico filezinho de porco com molho de figos frescos, preparado pela Carmen. E depois fomos ao cinema, mas isso comento no próximo post!

About these ads

5 Responses to “Uma taioba de domingo”


  1. 1 Karina 22/01/2013 às 11:55 am

    Meu pai tem um monte disso plantado na parte do brejo, no sitio. Comemos somente o talo (não sabia que dava para comer as folhas) e chamamos de “imono-zuki”; parece chuchu, realmente. Ele tem a variedade de talo roxo, do qual comemos somente o cormo (“batata”).

  2. 2 Daniel Brazil 22/01/2013 às 12:05 pm

    É isso aí, Karina. A de talo roxo contém grande quantidade de ácido oxálico, não deve ser comida. Experimente a folha da taioba, você vai gostar!

  3. 3 dalila teles veras 27/01/2013 às 10:57 pm

    Que delícia de post, Daniel! Confesso que jamais experimentei essa sua taioba. Além do seu quintal, é encontrável onde? Essas folhas parecem muito com as folhas do meu pé de antúrio. Cadê coragem, sem saber ao certo que taioba é mesmo taioba! abraço

    • 4 Daniel Brazil 29/01/2013 às 11:32 pm

      Uma única vez vi na feira pra vender, Dalila. É planta de quintal, de tradições culinárias indígenas. Quem mora no interior sempre tem uma na roça. A folha de antúrio é rígida, dura, de outra família, só tem a forma parecida. Não coma!
      Na próxima visita ao Alpharrábio levo umas!

  4. 5 Carla 11/07/2013 às 1:22 pm

    Cultivo a Taioba no meu quintal, mas quando preparo as folhas para comer, elas não ficam tão macias quanto as do restaurante, porquê? As minhas ficam mais duras, como a couve refogada.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 54 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: