Caninha Trepadeira

Faz tempo que não conto um causo aqui no Fósforo. E porque hoje é sábado, vou relembrar um da semana passada.

Estava em Atibaia, onde passei quatro dias num velho hotel-fazenda meio decadente, acompanhando um congresso de trabalhadores da saúde. No segundo dia, fui até o centro da cidade para sacar dinheiro. Depois de rodar umas cinco vezes o quarteirão do banco, não achei lugar pra estacionar. Ruas apertadas e cheias, típicas das cidades que não foram feitas para suportar a atual frota circulante. Como na maioria das cidades, aliás…

Tentei novamente no domingo, certo de que o centro estaria vazio. Só não contava com encontrar uma feira no meio da cidade. Parei o carro bem longe, atravessei a feira, saquei meus trocados. Na volta, não resisti e entrei no mercado municipal.

Adoro mercados. É onde tomo contato com a cultura local. Não observo apenas as comidas típicas, artesanatos e badulaques, mas também os costumes, os modos de conversar, de barganhar, de dar risadas. Seja Atibaia, São José do Egito, Manaus ou Montevidéu, visitar o mercado é de lei.

O de Atibaia é pequeno, mas simpático. Safra de morangos no início, pintando as bancas de frutas de vermelho. Muitos japoneses, presença forte na região. Lembrei de comprar uma cachaça local para o Paulo W, colecionador que costuma recepcionar as garrafas recebidas com generosos churrascos.

A única que encontrei não era de Atibaia, mas da vizinha Nazaré Paulista. O japonês-caipira que me vendeu disse que era forte, e que o fabricante era prefeito de Nazaré. Bem, um sujeito que fabrica uma caninha chamada Trepadeira deve ter muito voto, certamente.

Acabo de conferir na página da cidade, e o nome do atual alcaide não é o que está no rótulo. O japonês me enganou ou enganaram o japonês. Mas descobri que o prefeito estava perdendo a reeleição em 2008 e, com a contagem chegando ao fim, a oposição já comemorava no centro da cidade. Na última urna a votação virou, e ele ganhou por 2 votos. Dois! O pau comeu, claro, e a polícia teve de intervir.

Taí: uma cidade onde se faz uma caninha Trepadeira e eleição termina desse jeito merece ser visitada. Preciso conhecer Nazaré Paulista!

Caninha Trepadeira

Atualização, 12 horas depois: O japonês estava certo! O prefeito Nenê Pinheiro é mesmo o dono do alambique. É que ele assina a cachaça com o nome de batismo, por ser coisa séria. O apelido é para a política…

16 Responses to “Caninha Trepadeira”


  1. 1 carlos assis 05/07/2009 às 11:09 am

    nomes de caninha são muito curiosos
    desde palavrões e frase de quarto sentido
    pequenas e médias cidades do interior paulista
    são ótimas para se viver e conhecer pessoas que não se preocupam com isto

  2. 2 paulow 05/07/2009 às 3:21 pm

    Essa Trepadeira vai ter lugar de honra nestas prateleiras depois deste post !!! E assim, com a generosidade dos amigos, esse amontoado de garrafas vai dominando minha casa….

  3. 3 akio 06/07/2009 às 11:24 am

    O prefeito deve ter distribuído a caninha trepadeira para os seus eleitores “sérios”..ehhh..
    Abraço
    Akio

  4. 4 Daniel Brazil 06/07/2009 às 1:23 pm

    E a tática deu certo, Akio! Ou será que ele quase perdeu por causa da marvada?

  5. 5 David 09/07/2009 às 12:52 pm

    Bom dia…

    Vi uma matéria do ano passado, que falava (acabava) com a cidade em que vivo, ficaria muito feliz em saber quem foi o autor da matéria e em que cidade ele mora!!!

    Muito Obrigado!!!

  6. 6 Bruno Ribeiro 09/07/2009 às 5:20 pm

    Grande Daniel! Adorável a história da cachaça e da eleição em Nazaré Paulista. Essa eu vou contar por aqui! Aproveitando a deixa, postei seu vídeo, do Memorial da Resistência, lá no meu buteco. Dá uma passada por lá, quando tiver um tempinho. Grande abraço!

  7. 7 Daniel Brazil 09/07/2009 às 10:33 pm

    Aqui não há matérias, David, só opiniões e comentários meus. Quase um papo de botequim, sabe?
    Já falei aqui de muitas cidades, pois viajo muito. Aliás, escrevo neste momento de Ponte Nova, MG, depois de rodar mais de 400 km.
    Nunca “acabei” com nenhuma sem destacar algum ponto positivo. Acho que a cidade da qual mais falo mal é São Paulo, onde moro 🙂

  8. 8 Kenichi Miyamae 29/11/2013 às 6:51 am

    Esta garrafa é original de fábrica !
    Este rótulo tb é original.
    Um dia fui com meu pai comprar uma garrafa de aguardente.Era do Sr Pinheiro.! Tinha eu 8 ou nove anos de idade.Quando um dia , passar pela cidade irei comprar caixas e distribuir de lembranças para amigos e amantes da Pinga.de Nazaré Pta.Dizia meu velho,que Pinga do sr Pinheiro é gostoso ! 0 melhor!. Isto foi por volta de 1.965 !Esta fábrica ficava à direita da rua d.quem desce em direção a escola municipal-Francisco de Rosa ! (1960~ )Ví o alambique ,onde fermentava !.
    Um ótimo produto !Único . Produto made in Nazaré Paulista ! Ótimo para fazer caipirinha ! Acompanhado de queijo fatiado de Minas é bão demais.

    se aceitasse idéias, tenho uma: uma mostra de alambique de madeira bem
    grande na entrada da fábrica- loja , ou postar uma foto em painel ,p/q/ qualquer visitante possa identificar !

  9. 10 JOAQUIM 02/12/2014 às 12:40 pm

    MORRO NA PENHA – SP CAPITAL COMO ENCONTRAR A CANINHA TREPADEIRA?

  10. 12 Aurea 23/01/2015 às 11:51 am

    Eu tenho uma Cachaçaria chamada Moendas em São Paulo, lá tem para vender, a dose custa 6,00, quem quiser conhecer, fica no jaguaré

  11. 13 Roger Cavadas 09/02/2017 às 3:38 am

    Caso alguém tenha interesse , envio com frete único para todo o Brasil:
    Link para compra segura no mercado livre http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-837904236-cachaca-artesanal-trepadeira-nazare-paulista-assista-video-_JM
    Fico a disposição
    Obrigado
    Roger

  12. 14 José Caetano da Luz 15/09/2017 às 1:02 pm

    Caetano 15/09/2017

    Trabalhei muito em Nazaré Paulista fiquei por lá um bom tempo. Nesta época Nazaré era pura beleza natural. Foi eu junto com trabalhadores filhos da terra que, fizemos as sondagens para a construção da represa. Morava na pensão Casão ao lado da igreja no, chamado casarão, lá vivi tempos felizes de minha juventude. Curti uma grande quantidades de a amigos vou citar alguns que me perdoem os não citados Zico primo da Zélia; Zico sobrinho de dona Nina; Salete ( uma figura fora curva filha de família tradicional na cidade irmã de dona Nina), Tião irmão da Zélia eu e seu Garcia um espanhol da mais alta simpatia e chefe da obra na qual eu era o encarregado das sondagens e do laboratório de solos; Nelson nosso escriturário, vindo de Cafelândia abstêmio por convicção. Boca da noite eu e seu Garcia antes da janta passávamos no bar do Salim no centro de Nazaré para molhar a palavra juntamente com o japonês dentista ( um dos grandes profissionais da odontologia de um simplicidade única, juntos enxugávamos um litro de Montilha com Coca Cola e uma infinidade de tira-gostos que, ia desde quibes fritos e crus até as mais saborosas carnes de caça providencialmente descolada pelo dentista caçador ( até gatos guisados comemos como se fosse cotia) o japonês era de morte… apaixonei-me por uma donzela linda da cidade e namorávamos muito na pracinha da cidade, linda professora. Foi um tempo em minha vida afastado da politica de esquerda e dos aviões. Esta Nazaré já não existe mais. Quando pescávamos no Atibainha o, Tião irmão da Zélia e noivo da gordinha mais linda da cidade, além de tesoureiro da prefeitura era um bom cozinheiro, fazia um cuscuz com os peixes e os pequenos camarões que pescávamos que, se fosse hoje seria prato da alta gastronomia paulistana. Posso dizer que consumi litros e litros das duas cachaças de Nazaré Paulista a Chorinho e a Trepadeira, era cada pingão que bebia nas vendas e no próprio alambique que raspava a goela limpando-a sem queimar ( era prazer puro). Posso dizer sem medo de errar que o Atibainha foi um rio que passou em minha vida e me deixou levar. Hoje vivo outra realidade no meu Acre Querido ao lado de filhas e netos, idoso sim mas, vivo do que nunca e amando muito uma linda mulher que me faz imensamente feliz. Filhas lindas e netas e netos lindos também. Uma inclusive vive na Irlanda casou-se o ano passado e o velhinho estava lá, enchendo a cara de uísque e cerveja irlandesa que por sinal é uma das melhores do mundo. Minha esposa atual merece um capitulo a parte. Chama-se Inês. Fui……

  13. 15 Guga Rezende 02/06/2018 às 9:46 pm

    Cachaça Trepadeira do padrinho Nenê Pinheiro posso afirmar que é a melhor no segmento artesanal pura sem adição de elementos quimícos e só começa a trepar depois da oitava dose … alambicada pelo próprio Nenê Pinheiro bom de prosa e por demais simpático e pelo alquimista da cachaça João Fernandes este também rezador, jogador de truco e mentiroso em fim gente boa

    • 16 mauricio silva 07/02/2019 às 6:51 pm

      concordo guga rezende,nenê é a simpatia em pessoa,moro no sul,e de vez em quando visito nazare paulista, sempre compro trepadeira lá,,pois tenho uns amigos ucranianos que adoram essa cachaça e muitas vezes o proprio nenê pinheiro me atende gente boa e simples,não por acaso foi prefeito duas veses eu dempre chamo ele de meu prefeito,mês de abril passarei por lá,quem sabe até antes.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




Arquivos


%d blogueiros gostam disto: