Um pescador de domingo

Nascido à beira do mar, desde menino gosto de pescar. Desenvolvi sozinho a prática de só ficar com os peixes que iria comer, devolvendo os outros à água.

Quando vim para Sâo Paulo, pescar ficou mais difícil. Naquele tempo, a represa Billings  ainda era atrativa, mas a poluição acabou tornando esta opção insalubre. Nos anos 90 passei um tempo em Juquehy, no litoral Norte do estado, e ainda pesquei alguns robalos e pampos em Barra do Una.

Na virada do milênio, parei. Meu molinete sumiu em uma das mudanças, e nem me preocupei em arrumar outro. Pescar se confundiu com um daqueles  passatempos juvenis  que custamos a abandonar. Certa vez um  sábio definiu pescaria como “um bobo em cada ponta da linha”.

Mas nessa virada de ano, em Ilhabela, levei meu sobrinho Bruno pra aprender alguns macetes de pescaria. Fomos para um costão de pedra, ao sul da ilha, e mostrei como se usa o molinete, com iscas artificiais. De repente, para minha surpresa, este peixe-galo achou que aquela minhoca marciana de borracha era apetitosa…

Era um sonho infantil publicar uma foto minha de pescador. Daquelas que aparecem nas revistas, com um pançudo mostrando orgulhoso o resultado da luta desigual. Mas tinha que ser diferente, claro.

Resolvi colocar  o peixe à minha altura, olhos nos olhos, digno adversário que por infelicidade teve seu dia de azar. E o cara tem uma testa maior que a minha, merece respeito!

Anúncios

0 Responses to “Um pescador de domingo”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: