Arquivo para janeiro \08\UTC 2010



Perdão, musas

Como de costume, no balanço de fim de ano, percebi que em 2009 vi, ouvi, assisti, escrevi e li menos do que seria desejável. Perdão, Mnemósine, por dar pouca atenção a tuas filhas! Algumas vezes por falta de dinheiro, outras por falta de tempo. Outras vezes, por falta de vergonha na cara, mesmo. A pouca paciência (ou a preguiça) me fez evitar o trânsito paulistano na maioria das noites. Morando no Butantã, na rive gauche do rio Pinheiros, atravessar a ponte é, cada vez mais, um suplício.

Televisão, não assisto. Um ou outro noticiário, de vez em quando. Adoro cinema, mas pegar um filme na locadora e assisti-lo na telinha é um ato redutor, em todos os sentidos. Conto nos dedos das mãos as vezes em cometi tal gesto, na última década. E vai sobrar dedo…

Teatro é outro fracasso. Embora tenha realizado projetos ligados a teatro em 2009, o que me obrigou – prazerosamente – a assistir alguns ensaios e apresentações, fui um péssimo exemplo para o público. Cheguei a tentar ver A Alma Boa de Tetsuan e perdi para o transito. Frustração total. Perdão, Tália, perdão, Melpômene!

Dança, então, melhor não tocar no assunto. Uma apresentação do Stagium, uma pequena entrevista com a Marika. E olha que tem gente da família que leva dança a sério, e entende do riscado.  Perdão, Terpsícore!

Não vi mais que uma dezena de apresentações de música popular, em 2009. Metade delas, na casa de amigos. Concertos sinfônicos? Um, para ser exato. E um concerto de claviorgano.  Jazz? Zero. MPB? Uma cifra constrangedora, principalmente para quem se mete a escrever sobre o tema. Mil perdões, Euterpe! Desculpe, Polímnia!

Artes plásticas? Fraco, em Sampa. Uma ou outra instalação, os franceses que fizeram a Virada Cultural no Jardim da Luz, o Matisse na Pinacoteca, e as pichações que vejo nos muros da cidade. Bati um papo com o Kobra.  Só escapei da lama por ter visitado alguns museus legais. Pensando bem, até que fiquei bem na fita, nesta área.

Ouvi muito discurso, gravei muita falação, escutei muito blábláblá. Não reclame, Calíope, você está bem servida!

Sobrou a literatura. A mais humilde e mais profunda das artes. Depois de enfrentar o monumento de Canetti,  no começo do ano, a energia despendida me fez passar uns meses de reflexão. Fui me recuperar lá pelo meio do ano, mas devagarinho. Gostei muito da Elza do Sérgio Rodrigues, bem menos do Leite Derramado do Chico. Pouco sobrou para a poesia, que felizmente hoje se esparrama por meios não impressos. Obrigado, Dalila! Obrigado, Ana Peluso e Neuza Pinheiro. Perdão por não ter sido mais assíduo, Erato!

E, em dezembro, percebi que meu déficit era assustador. De lá pra cá, li três romances, uma novela e alguns contos. Apreciei muito a simpática saga do elefante de Saramago, muito menos pretensioso que o Caim, e provavelmente melhor. Me surpreendi com a estréia ficcional do poeta Fábio Brazil, que me trouxe um monte de lembranças de um Bixiga que hoje não existe mais. Belo romance policial paulistano, que oxigena a tradição de Alcântara Machado e Marcos Rey.

Descobri tardiamente o Leão Rampante, do Rodrigo Lacerda. Um delicioso relato, onde a forma é tudo. E esta semana me diverti com alguns ensaios do Suassuna, cheios de verve (e alguns preconceitos). Cabra bom!

Prometo, em 2010, ser um bom menino, mais assíduo com meus deveres e oferendas.  Perdão, Clio!

PS, em 10/01: Não posso deixar de citar o livro mais emocionante que li em 2010: Estação Paraíso, de Alípio Freire. Aurora revelada através da poesia.

Anúncios

Início de ano

Tá, sei que andei ausente nos últimos dias. Aliás, desde o Natal. Ou seja, desde o ano passado. Mas, como você podem conferir aqui no blog, a quilometragem rodada em 2009 foi alta. Precisava de um descanso.

Foram 14 dias na ilha. O suficiente para brindar a chegada de 2010, rever pessoas queridas, ver muitas tartarugas no mar (elas redescobriram Ilhabela!), pegar um bronze, escorregar nas cachoeiras, pescar um peixe-galo, tocar e ouvir muita música, ler dois romances e alguns contos, tomar hectolitros de cerveja, saborear várias comidinhas.

Aliás, a casa da Travessa do Saci abrigou um inusitado festival gastronômico. Os almoços praianos de fim de tarde, às vezes no fogão à lenha, foram espetaculares. Ceviches de robalo e de salmão, cuscuz marroquino com lulas, camarão na moranga, moqueca de badejo, salada de jaca verde, pasteizinhos de algas marinhas… Tudo intercalado com pratos menos litorâneos, como lombo com espinafre e gorgonzola, frango com catupiry, vaca atolada e jiló frito no fubá, mais caipiras que caiçaras. E bem acompanhados por caipirinhas de limão siciliano, maracujá do quintal, lima-da-pérsia, caju-da-travessa-Baepi e abacaxi-do-mercado-mesmo.

E teve a noite da pizza artesanal, inventada por cada um, inaugurando o forno a lenha. Teve lua cheia, muita chuva e muita risada. Teve muito sol também, claro. Saí tão não-querendo que voltei pra São Paulo sem um monte de coisas, inclusive a máquina fotográfica. Recuperei três fotos do ano passado, só pra situar.

Bem vindos a 2010!


Arquivos

Anúncios