Synval Silva, 100 anos

Foi-se o mês de março e poucos lembraram deste talentoso sambista que teria completado 100 anos. Synval Silva, nascido em 14 de março de 1911, teve uma vida assim: alternou momentos de glória e de esquecimento até sua morte, em 2004.

Synval nasceu em Juiz de Fora, terra de outro grande sambista, Geraldo Pereira, que é da safra de 1918. Alguma coisa tinha na água daquela cidade, na segunda década do século XX! O pai, clarinetista, trouxe a música para dentro de casa, mas o primeiro instrumento do pequeno Sinval (batizado sem y) foi a viola. Como músico não era profissão, tornou-se mecânico de automóveis. Em 1930 se mandou para o Rio de Janeiro, se fixando no morro da Formiga. Tocou na Rádio Mayrink Veiga, no grupo Good Bye, e ali conheceu Assis Valente. Este era compositor conhecido, tinha sambas gravados por Carmen Miranda, e conseguiu para Synval um bico como motorista da cantora.

Agora, imagine a cena, meio lendária, meio verdade. Ao saber que Synval compunha, Carmen faz um desafio. Promete um conto de réis por uma canção que falasse em mulato no samba. O malandro tasca logo dois: Alvorada e Ao Voltar do Samba, que acaba virando sucesso.

Oh, Deus, eu me acho tão cansada,

ao voltar da batucada,

que tomei parte lá na Praça Onze…

Era o ano de 1934, e o samba tocou bem nas rádios. Carmen dobrou a aposta. Dois contos de réis se fizesse outro samba que alcançasse pelo menos metade da repercussão. Synval se esmerou e mandou Coração, que fez o dobro do sucesso.

Coração,
Governador da embarcação do amor,
Coração,
Meu companheiro na alegria e na dor…

A cantora sacou que o sucesso não fora acidental e aumentou a aposta. Três contos de réis se, etc. Synval então lhe entregou um dos sambas mais bonitos de todos os tempos: Adeus, Batucada.

Adeus, adeus,

Meu pandeiro de samba,

Tamborim de bamba,

Já é de madrugada…

O sucesso foi tão grande que virou prefixo musical da cantora, e foi a música mais cantada no seu enterro, junto com Tahí, de Joubert de Carvalho. Carmen ainda gravou outras obras de Synval: a marcha Amor! Amor (1936) e os sambas Moreno, Saudade de Você e Gente Bamba (1937).

A estrela partiu para os EUA, mas Synval continuou sendo gravado por aqui. Orlando Silva, Aurora Miranda, Trio de Ouro, Odete Amaral, Cyro Monteiro e Ataulfo Alves (que virou parceiro em Geme, Negro). Foi também parceiro de Herivelto Martins em Negro Artilheiro.

Em 1940, fundou a escola Império da Tijuca, para quem fez Sandália de Cetim e os sambas-enredo Brasil, Explosão do Progresso (1973) e As Minas de Prata (1974), com Mauro Affonso e Jorge Melodia.

Mesmo sendo fundador da UBC, da ABCA e da SBACEM, os direitos autorais não pagavam as contas. Synval voltou a ser mecânico.  Participou da I Bienal do Samba, da TV Record (1968), com o samba Marina interpretado por Noite Ilustrada. Em 1972 apresentou-se em shows com Mano Décio da Viola e Xangô da Mangueira. Só em 1973 conseguiu gravar seu único LP (RCA, série Documento). A pouca repercussão fez com que ele abandonasse de vez a vida artística. Morreu em 1994, quase esquecido.

Quase. Porque seus sambas continuam sendo cantados, e tem muita gente que regravou Adeus, Batucada. Gente como Ná Ozzetti, Ney Matogrosso, Carmen Queiroz ou Gal Costa estão aí pra manter iluminada a beleza deste samba.  Viva, Synval!

Anúncios

2 Responses to “Synval Silva, 100 anos”


  1. 1 Ruggero 10/04/2011 às 1:08 am

    Oportuníssima lembrança e belíssima escolha da música/intérprete!
    Obrigado.

  2. 2 Daniel Brazil 11/04/2011 às 11:23 am

    Valeu, Ruggero! Adoro este samba. Aliás, a Ná Ozzetti está lançando disco novo esta semana, em São Paulo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: