O cálice do Criolo

Não sou um fã de rap, confesso. Gosto demais de música pra gostar de rap, que originalmente nasceu como poesia ritmada (rhythm and poetry). Nada contra rimas e ritmos, mas na origem do gênero faltavam alguns elementos básicos para minha fruição, como melodia ou harmonia. Também não sou fã de poesia declamada, mas respeito quem faz e curte. Na Rússia é arte nacional, cultuada por milhões de pessoas, em escolas, botecos e saraus.

Acompanhei o surgimento do movimento hip hop na periferia de São Paulo e do ABC, há mais de vinte anos (gravei um vídeo com Nelson Triunfo em 91!), e sempre vi como socialmente interessante e musicalmente pobre. Claro que surgiram alguns bons poetas no meio, e os Racionais foram um marco cujo impacto é definitivo. Gente como Thaide, Rappin’ Hood, Gog ou MV Bill são mentes inquietas que ampliam os caminhos do rap. Alguns “brancos espertos” surfaram na onda, como Gabriel o Pensador ou Fausto Fawcett, deixando sua marca.

Gosto muito do filme Antônia (2007), de Tata Amaral, que levou Negra Li ao estrelato e mostra o lado feminino do rap. O que sempre me incomodou foi a submissão acrítica ao modelo americano de rap. A imitação dos trejeitos, dos scratches, dos passos de break, das roupas, colares e óculos escuros.

Há alguns anos ouvi falar de Criolo Doido. Ativista do rap , criou a bem sucedida Rinha dos MC’s, em São Paulo, que virou circuito em todo o estado. Lançou um disco em 2006 (Ainda Há Tempo), e entortou a cabeça do pessoal com Nó na Orelha, de 2010.

Gostei de umas faixas, menos de outras. Espiei alguns vídeos na rede, e a cara de Criolo (que não é literalmente um crioulo) foi ficando familiar. Até que topei com este vídeo, gravado em condições precárias, num bar, sem playback, em que o poeta faz uma homenagem à canção Cálice, de Gilberto Gil e Chico Buarque.

Na verdade, ele canta outra letra, sobre a mesma melodia, sem respeitar muito a métrica. E me arrepiei do mesmo jeito que havia acontecido quando ouvi a canção original pela primeira vez. A voz embargada de Criolo,  cantando a cappella, transmite tudo. E o fato de citar Milton, e não Gil, se deve ao fato da interpretação do mineiro (junto com o carioca) ter se tornado a referência auditiva para esta grande, imensa canção.

Criolo a tornou ainda maior.

Anúncios

3 Responses to “O cálice do Criolo”


  1. 1 dalila teles veras 23/07/2011 às 11:25 pm

    impossível, caro Daniel, não “ficar arrepiado” com essa singela e comovente (re)criação de Cálice! mesmo para aqueles que, como eu, não compreendem bem (pela falta de familiaridade com o gênero) o rap. Gostei muito. obrigada
    dalila

  2. 2 Daniel Brazil 24/07/2011 às 8:40 pm

    É verdade, Dalila. Criolo canta com a verdade na voz, dá pra sentir isso. A sua verdade. Isso arrepia mesmo!

  3. 3 Jussara 27/07/2011 às 2:08 am

    Arrepiei!
    bjs
    jussara


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: