K, de Kucinski

Conto nos dedos as vezes em que um livro realmente me fez largar tudo e respirar fundo, de olhos fechados, absorvendo todo o impacto da leitura. K., de Bernardo Kucinski (Editora Expressão Popular, 2011)  me emocionou como poucos, pouquíssimos. O autor eliminou tudo que é supérfluo, enfeite, penduricalho verbal, e nos oferece apenas a essência de uma narrativa poderosa e emocionante. São 177 páginas, concisas mas intensas.

É o melhor e mais refinado romance sobre o período da ditadura brasileira que já li. Tudo é real, mas uma realidade envolta em mentiras. Não à toa o título nos remete ao Kafka de “O Processo”: a inglória luta de um homem contra a arrogância de um estado que não explica motivos, sequestros ou assassinatos. K não é Kafka, mas um velho judeu polonês, que teve a família dizimada pelos nazistas durante a 2ª. Guerra e mora no Brasil escrevendo artigos em iídiche para a comunidade. Um dia sua filha, professora de Química da USP, desaparece, junto com o marido. A busca do velho pai é titânica, desesperada, e com ele vamos descobrindo a crueldade dos agentes da ditadura, que mentem, dão pistas falsas, extorquem e matam.

Kucinski abre o livro com um pequeno aviso ao leitor: “Tudo neste livro é invenção, mas quase tudo aconteceu”. Dominando plenamente os recursos estilísticos, dá voz a vários personagens em cada capítulo: guerrilheiros urbanos, assassinos, a amante do torturador, um general, colegas da professora desaparecida. Tudo é costurado pela busca desesperada do Senhor K, que se encontra várias vezes com personagens que nós conhecemos bem. A narrativa é dolorida, pois a dimensão trágica do personagem está colocada desde o início. Mas é também um prodígio de escritura, plena de humanidade e sentimento. Um livro belíssimo, enriquecido pelas ilustrações expressionistas de Enio Squeff, de cuja leitura você não vai sair ileso.

Aliás, fiz a besteira de começar, alguns dias depois, a leitura do elogiado Brooklin, de Colm Tóibin. Já passei da metade e estou achando bem chatinho, esquemático, sem profundidade. Culpa do K…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: