Gonzagão & Gonzaguinha

Assisti à pré-estreia do filme nacional-popular-chique-universal do ano: Gonzaga: De Pai para Filho.

Já antecipo meu veredicto: é muito bom. Saí emocionado, com os olhos úmidos e a alma lavada. O filme realiza a comunhão da produção caprichada, atores sensacionais, direção precisa, roteiro amarradinho e trilha sonora imbatível. Nota 9+, porque sempre há um senãozinho.

Mas vou falar dos méritos, claro. O diretor Breno Silveira havia acertado a mão do gosto popular em 2 Filhos de Francisco (apesar da trilha sonora execrável e o final baba-ovo). Tropeçou em um projeto de ficção com músicas de Roberto Carlos, e voltou a acertar a mão com um verdadeiro artista popular, criador de um gênero, autor de obras-primas. Aliás, um não: dois. Gonzagão e Gonzaguinha.

Como todos já devem saber a essa altura, o filme relata a vida de Luiz Gonzaga mas tem seu foco dramático na difícil relação entre Gonzaga-pai e Gonzaga-filho. Um gênio sertanejo instintivo, telúrico, visceral, tosco, de direita, contra um jovem rebelde, filho abandonado, criado no morro de São Carlos, com “anel de doutor” (dado fundamental na história!), e de esquerda.

Dá conflito? Claro. Dá filme? Depende. Só nas mãos de gente que sabe o que fazer com isso. E a roteirista Patrícia Andrade mostra que é do ramo. A narrativa mantém a fluência o tempo todo, não há “buracos” tediosos, os personagens secundários entram todos na hora certa.

E a direção e produção contribuem, claro. A escolha dos atores é fenomenal, indescritível para quem não viu o filme. Os três atores que interpretam Luiz Gonzaga são ótimos, mas Chambinho do Acordeon*, que fica com o filé da história, é impressionante  Só perde mesmo para Julio Andrade, que se transforma em Gonzaguinha. É um clone, um replicante, uma reencarnação. Como descrever? Só vendo.

Alguns detalhes biográficos ficam meio obscuros. A mãe de Gonzaguinha, taxi-girl, era ou não uma prostituta? Gonzagão não seria capaz de gerar filhos? Quem é Rosinha, a filha adotiva que só aparece no finalzinho? Por que diabos o aclamado “Rei do Baião” estava no ostracismo nos anos 70? Como ele conheceu Humberto Teixeira, o letrista-mor?

Tudo isso tira só 0,25 do filme. Quem quiser saber, que pesquise a história, porque filme não é tese acadêmica. E vamos pro principal: a trilha sonora é maravilhosa. Pequenos trechos de alguns sucessos de Gonzagão (e Gonzaguinha) entram em momentos fundamentais.

Asa Branca, Assum Preto, Légua Tirana, Dezessete e Setecentos, Vida de Viajante, Baião, Paraíba,Respeita Januário, estão todas lá. Faltam muitas outras, claro, pois a obra de Mestre Lua é gigantesca. Quem só conhece o Xote das Meninas, na voz de Marisa Monte, vai ficar perdido. Só não entendi porque os momentos românticos  entre Gonzagão e a mãe de Gonzaguinha são marcados por um tema de Piazzolla. Nada contra o mestre argentino, mas aqui descontei mais 0,25. Um filme 9,5 é raro, raríssimo!  E descobri agora na internet que a direção de fotografia é de Adrian Teijido, o mesmo de O Palhaço, que considerei o melhor filme que assisti o ano passado. As coisas se explicam…

Gonzaga: De Pai para Filho é um bem acabado exemplo de filme nacional-popular-chique-universal. (Xi, acho que já falei isso lá em cima!)

*Recomendo a leitura do artigo de Talita Galli sobre Chambinho do Acordeon na Revista Música Brasileira

10 Responses to “Gonzagão & Gonzaguinha”


  1. 1 Julio 25/10/2012 às 11:01 pm

    Não vi o filme mas pretendo ver. Gosto de quase tudo do Gonzagão e de quase nada do Gonzaguinha. Como amante de música brasileira sei a resposta de várias perguntinhas feitas no seu post, mas não conto, não conto e não conto porque sei que vc também sabe. Agora uma perguntinha: uma das músicas que eu mais gosto do Gonzagão nem é muito conhecida. Chama “Estrada de Canindé”. Toca no filme?

  2. 2 Daniel Brazil 26/10/2012 às 9:25 am

    Um pequeno trecho é tocado, Julio. E compartilho tua opinião sobre a obra dos dois, mas uma do Gonzaguinha, Com a Perna no Mundo, marca um dos momentos mais sublimes do filme.
    “Ô, Dina, teu menino desceu o São Carlos…”

  3. 3 Suzy 26/10/2012 às 11:31 pm

    Um filme lindo que emociona a todos, seja a idade que for. Parabéns…

  4. 5 Pandora 27/10/2012 às 12:35 am

    Gonzaga é especial para quem é nordestino ou é filho de nordestino… É aquele artista que faz a paz entre pais e filhos. Nunca na vida conheci ninguém que não gostasse dele. Gonzaguinha é ídolo de 10 entre 10 estudantes de história e eu sou uma estudante de história… Enfim é um filme pelo qual espero com medo e ansiedade… Medo de ver a história de dois personagens fundamentais em minha trajetória de vida mal representados e ansiedade por ver suas histórias em grande estilo 🙂

  5. 7 Jussara 28/10/2012 às 12:23 pm

    Vou assistir com certeza. Com erros e acertos gosto muito dos projetos do Breno Silveira. E sou daquelas que ama 2 filhos de Francisco, é só não ver o fim, rs
    bjs
    Jussara

  6. 9 Ione 31/10/2012 às 12:19 am

    Vi o filme e tb adorei. Foi muito emocionante, poxa vida… O crtico da Folha um…deixa pra l, nem sei pq leio esses porcarias…hahahahaha Beijos Ione


Deixe uma resposta para Ione Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




Arquivos


%d blogueiros gostam disto: