Eduardo Coutinho

 

Eduardo Coutinho

                Documentários sempre fizeram parte de nossa vida cinematográfica, ainda que muitos não se lembrem disso quando falam de cinema. Desde a infância, quando ia assistir desenhos de Walt Disney, os documentários sobre vida animal que antecediam o filme principal eram fascinantes.

                Estudei cinema na universidade, e certamente por causa dos documentários. Comecei a trabalhar com audiovisual entrevistando, reportando, documentando e registrando movimentos sociais, nos anos 80. Foi a década de redemocratização, e havia uma vontade represada de vários segmentos sociais por se comunicar. Falar, mostrar, cobrar, denunciar, e, claro, acabar com a ditadura.

                O primeiro prêmio importante que ganhei foi com um documentário sobre o centenário da Abolição, em 1988. Entre os jurados, Eduardo Coutinho. No dia da apresentação, me puxou de lado e falou o quanto tinha gostado de Além de Trabalhador, Negro. Um doc de 35 minutos feito com o apoio da Ford Foundation.

                Eu fiquei sem palavras. O cara tinha feito o melhor documentário que eu tinha visto na  vida, Cabra Marcado para Morrer (1984). Na década anterior, tinha ajudado o Globo Repórter a ser um dos melhores programas da TV brasileira, muito acima do lixo que é hoje. Coutinho era um mito, um revolucionário da forma, um guerrilheiro do conteúdo. É até hoje o primeiro na minha lista pessoal de melhores documentaristas de todos os tempos.

Cabra marcado

                Nunca cheguei aos tornozelos do mestre. Continuei acompanhando sua obra, que conhecia desde uma frustrada experiência de ficção, o longa O Homem Que Comprou o Mundo, com Paulo José. Frustrado para ele, porque sempre achei bem legal. E vieram os docs Edifício Master, Santo Forte, Santa Marta, O Fio da Memória…

                Quando parecia estabelecido, mestre incontestável de um estilo personalíssimo de entrevistar, abrindo brechas na alma das pessoas, deu outra virada na carreira. Jogo de Cena, de 2007, derruba a cerca entre ficção e realidade, encenação e registro. Atrizes famosas e mulheres anônimas contam suas histórias de vida, mas às vezes os papéis estão trocados, outras vezes não se descobre se é uma encenação ou um fato real da vida das atrizes. Tudo se resume a um palco escuro, um foco de luz sobre uma cadeira e as mulheres falando. E é, novamente, revolucionário.

Jogo de cena

                Coutinho tinha 74 anos quando fez Jogo de Cena. Se reinventar nessa idade não é pouco. Um garoto, diria Manoel de Oliveira. Lembro-me de Jean-Claude Bernadet declarando sua admiração por Cabra Marcado. De tantos outros cineastas de ficção reconhecendo a maestria de Coutinho. E o espanto de todos perante aquela invenção, aquele novo marco cinematográfico fincado em nossa história.

                Coutinho se foi tragicamente, está nas manchetes de hoje. Tudo que posso fazer é homenageá-lo com minhas lembranças, e recomendar a todos: conheçam sua obra, assistam, discutam, divulguem. O Brasil perdeu seu maior cineasta.

1 Response to “Eduardo Coutinho”


  1. 1 dalila teles veras 18/02/2014 às 11:09 pm

    Um verdadeiro texto de mestre sobre um mestre! Muito bom, caro Daniel. Morreu Coutinho, Viva Coutinho! Abraços da leitora


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: