Dilmistas X aecistas

Tá, sei que o título é reducionista, para alguns. E generalista, para outros. Difícil agradar todos, né? Esta é a encruzilhada em que o Brasil está, em outubro de 2014, véspera do segundo turno das eleições. A internet se tornou um campo de batalha, onde militantes virtuais (em sua grande maioria, limitantes reais) esbravejam e se apoiam nos “amigos”. Entre em qualquer fakebook de esquerda e vai ver enquetes onde Dilma é a grande vitoriosa. Em fakebooks de direita (e também dos liberaizinhos que não se acham de direita), o sentimento anti-petista corre solto, e a libertação do Brasil está próxima.

Libertação? Desde quando a volta do neo-conservadorismo é libertação? Os patrões mais carrascos, os militares mais linha-dura, os fanáticos religiosos mais radicais (desculpe a redundância), as donas-de-casa mais carolas, os machistas mais empedernidos, os racistas mais encarniçados, estão do lado A (de Aécio). O sequestro de expressões caras à quem lutou contra a escravidão, contra a ditadura militar, contra a censura, é acintosa. A repetição de mentiras como “o Brasil está falido!”, “o PT quer instaurar uma ditadura socialista” ou “o perigo do bolivarianismo” é repetido ad nauseam. As manipulações midiáticas encontraram terreno propício à fermentação dessas ideias fora do lugar (como diria o crítico literário Roberto Schwarz).

Enfim, esta situação é culpa do PT, mas não é só culpa do PT. É da falta de democratização dos meios de comunicação, que são capitanias hereditárias nesse país. É da longa tradição de corrupção em todos os níveis, que envolve a velha(ca) imprensa até a raiz dos cabelos. É da falsidade reinante, que pela segunda vez na história recente do país escolhe um playboy da oligarquia para enfrentar um governo de, vá lá,  esquerda. Na primeira vez, deu no que deu: impeachment. Agora o playboy da vez tem ligações com o narcotráfico. Helicópteros de cocaína, aeroportos clandestinos (construídos com o dinheiro público), histórico de bebedeiras e violência contra mulheres. Vida particular não interfere na vida pública? Se não envolvesse recursos públicos, concordaria.

Bem, nada do que eu possa dizer pode ser melhor do que a clareza das imagens desse vídeo, que retrata duas manifestações em Belo Horizonte. Dilmistas X aecistas. A festa, o samba, o riso, contra o Hino Nacional e o verde-amarelismo que disfarça o fascismo. O depoimento sincero de um negro pobre que se sente mais feliz no Brasil de agora contra o preconceito escarrado e mal-educado dos que ainda se acham elite. Só não vê quem não quer.

 

4 Responses to “Dilmistas X aecistas”


  1. 1 Medina 27/10/2014 às 2:53 pm

    Daniel veja a reação dos mercados. O governo da Dilma, ao contrário do Lula, não respeita o tripé econômico da meta fiscal, inflação e câmbio flutuante. O governo queima estoques adquiridos durante o período em que o minério de Ferro estava em alta. Existe forte manipulação dos dados governamentais e descrença generalizada dos investidores. Nunca o estado atuou tanto na economia como no último governo, ninguém pode gastar mais do que arrecada muito menos o governo e por tanto tempo. Por outro lado o FED norte americano sinaliza com possíveis aumentos na taxa básica de juros, o que seria péssimo para a concorrência de nossas empresas. O problema, independente de quem vá assumir no lugar do Mantega, é que a presidente continuará determinando de maneira política e artificial os rumos econômicos.

  2. 2 Daniel BrazilDaniel Brazil 27/10/2014 às 4:59 pm

    Previsão pessimista, Medina. Espero que o resultado apertado tenha assustado a Dilma a ponto dela recuar de seu centralismo e modificar algumas políticas, como a econômica. A sinalizada saída do Mantega já é um indicativo de que a economia vai mudar. Aliás, “forte manipulação dos dados governamentais” parece mais frase de campanha da oposição, assim como “descrença generalizada dos investidores”. Depois de meses de terrorismo editorial da velha(ca) imprensa nessa linha, é hora de olhar para a situação com um olhar mais isento, não? Colunistas econômicos do El País ou do Liberation discordam dessa visão catastrofista, por exemplo.

  3. 4 Daniel Brazil 30/10/2014 às 8:17 pm

    O grande saldo dessas eleições, até agora, é provocar mudanças na forma de governar. Todos querem mudanças, e muitos foram às ruas por isso. (Tá, uns poucos). Mas mudança pra melhor, não pra pior, é o que o resultado das urnas mostrou.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: