Tá Faltando água?

emilinha-borba-tomara-que-chova

                Uma das características matriciais da nossa música popular é a capacidade de rir das próprias desgraças.  As letras dos primeiros sambas já ironizavam a pobreza, a vida dura das favelas, o desemprego, a exploração da mão-de-obra e a fome. A falta ou a perda de um amor também entram no rol das desgraças, claro, mas aí se trata de um tema universal, cantado por vários povos e culturas.

Já cantar com brejeirice a falta de pão ou a falta de água é caminho arriscado, que mexe com dores e carências materiais. Vários sambistas deixaram sua marca abordando esse assunto tão melindroso, alguns com tanta verve que acabaram criando marchinhas de carnaval inesquecíveis. Em 1950, Emilinha Borba lançava, no filme “Aviso aos Navegantes, a antológica marchinha Tomara Que Chova, cuja letra ganha atualidade surpreendente neste ano de 2015.

Tomara que chova, oi
Três dias sem parar!

A minha grande mágoa
É lá em casa não ter água
E eu preciso me lavar.

De promessa eu ando cheia
Quando conto a minha vida ninguém quer acreditar
Trabalho não me cansa
O que me cansa é pensar
Que lá em casa não tem água nem pra cozinhar.

Obra prima de Paquito e Romeu Gentil, Tomara Que Chova foi muito imitada, nos anos seguintes. A falta de água era uma realidade cotidiana nos morros cariocas, e em 1952 foi a vez de Luiz Antonio e Jota Jr. emplacarem Lata Dágua, na voz de Marlene. O drama típico de quem não tinha água em casa era representado por mais uma entre tantas Marias que se tornaram clássicas na música brasileira.

Lata d’água na cabeça
Lá vai Maria, lá vai Maria
Sobe o morro e não se cansa
Pela mão leva a criança
Lá vai Maria (bis)

Maria lava roupa lá no alto
Lutando pelo pão de cada dia
Sonhando com a vida do asfalto
Que acaba onde o morro principia.

Em 1954, a marchinha Vagalume, de Vitor Simon e Fernando Martins, voltava a retratar a situação típica da então capital brasileira. Violeta Cavalcanti e Os Anjos do Inferno gravaram registros históricos:

Rio de Janeiro
Cidade que nos seduz
De dia falta água
De noite falta luz.

Abro o chuveiro
Não cai nem um pingo
Desde segunda
Até domingo.

Eu vou pro mato
Ai! pro mato eu vou
Vou buscar um vagalume
Pra dar luz ao meu chatô.

Não chegou a ser um sucesso arrasador, mas até hoje muitos lembram os versos “de dia falta água, de noite falta luz”. O mesmo Vitor Simon insistiu no tema, em parceria com Ney Campos e Luiz Martins, na marcha Panela Vazia, gravada por Leny Eversong, também em 1954:

Ai! Meu Deus do céu

Que carestia

Falta de tudo na vida

Hoje em dia.

Falta gás no fogão

Falta luz no porão

Falta água na pia

Fogo apagado

Panela vazia.

 

                Daí pra frente o tema foi sumindo das letras, embora a água continuasse chegando com dificuldade ao alto dos morros. Em outras bandas, os nordestinos, os sertanejos, os caipiras, sempre abordaram a questão da falta de chuvas de modo mais sombrio, até mesmo trágico. Estes sambistas irreverentes da década de 1950 provavelmente não acreditariam se alguém dissesse que suas obras iriam ter aspectos premonitórios em pleno século XXI. A falta de planejamento de vários governos somada à falta de chuvas leva as grandes metrópoles à beira do colapso, começando por São Paulo. Resta-nos cantar a marchinha imortalizada por Emilinha Borba, enfatizando o verso “de promessa eu ando cheia”. E pedir ao bom Alah que mande água pra Ioiô, mande água pra Iaiá…

 

(publicado originalmente em http://www.revistamusicabrasileira.com.br)

0 Responses to “Tá Faltando água?”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: